© 2017 Travel Sweet Home.

  • Instagram Black Round

Ubud - Do filme Comer Rezar e Amar! ( Parte 2)

11.10.2017

Falando agora dos campos de arroz, a paisagem é realmente muito bonita, e o fato de você poder entrar e andar entre eles, vai te render lindas fotos. Com certeza é um dos pontos altos de Ubud, principalmente pela paisagem, que não estamos acostumados a ver no Brasil por exemplo.

 

 

 

Durante a tarde íamos visitar dois templos que eram mais distantes do centro de Ubud, o Pura Gunung Kawi Sebatu e o Pura Tirta Empul.

O primeiro deles, apesar de não ser tão turístico, eu amei!!! Senti uma paz tão grande quando entrei nele, o lugar é bem amplo, cheio de arvores, com uma linda piscina cheinha de carpas, com vários banquinhos em volta... aquele tipo de lugar super convidativo para sentar e relaxar um pouquinho sem pensar em nada!

 

 

Foi nesse templo também que vimos um casal fazendo fotos de casamento, e achei super interessante, pois as roupas deles de matrimonio são tão, mas tão diferentes das nossas do Brasil: são cores vibrantes, a maquiagem bem pesada, com vários adornos na cabeça. Eu achei super legal!

 

Depois de ter recarregado as energias nesse templo tão gostoso e Zen, seguimos para o Pura Tirta Empul, que para mim foi uma grande desilusão.

Eu estava super empolgada para visitar esse templo. Para quem não conhece e nunca ouviu falar, esse é um dos templos mais famosos de Bali, onde as pessoas vão para tomar o banho de purificação nas piscinas. Particularmente não me senti bem nesse templo, não sei explicar.... Enfim, o templo estava lotado, e tinha muitas pessoas, na verdade turistas fazendo o ritual de purificação, o ritual funciona da seguinte maneira, primeiro você tem que comprar a seu próprio sarong, já que você não pode fazer o ritual com uma que seja emprestada, independente de quem seja, o sarong deve ser seu.  

Na parte de fora, você também deve comprar os itens necessários para fazer duas oferendas, uma que você vai colocar logo na entrada do templo, e a outra que você vai colocar no altar da piscina antes de entrar na agua. Quando você entra para a parte das piscinas, uma pessoa vem até você para te explicar as orações que devem ser feitas e onde você deve colocar a sua oferenda. Depois de ter feito tudo isso, você pode entrar na piscina, que tem umas 20 quedas de agua, e você deve passar por cada uma delas até chegar na final (a pessoa que ajuda você lá dentro vai te explicar todos os passos e o que cada um significa). Agora vamos lá, na minha opinião, desculpa a sinceridade, mas pareceu que a maioria das pessoas estavam fazendo o ritual apenas por fazer sabe? Ou melhor, parecia que a maioria estava ali apenas pela foto... Enfim quem sou eu para julgar, mas a impressão que tive foi essa. Então se você realmente acreditar e quiser fazer o ritual acho super legal, mas se for só pelas fotos no meu ponto de vista acho isso desrespeitoso, mas enfim vai de cada um.

 

 

 

 

Outro destaque bem bonito desse templo é a nascente de água que tem lá dentro. Próximo das piscinas principais, procure por uma área murada. Dentro dessa área você consegue ver a água  brotando do chão! Foi a primeira vez que vi isso e posso dizer que foi maravilhoso!

 

 

Depois de percorrer todo o templo, voltamos para o nosso hotel, pois como disse no começo do post, essa noite teríamos uma apresentação de dança no Ubud Water palace.

Gente essa foi outra furada da viagem...

Então, quando você pesquisa shows de dança balinesa em Ubud o primeiro que aparece para você é o do Café Lótus, que é esse do Water palace. O Café Lótus é um café que está dentro do complexo do Water Palace. No Café Lótus, eles vendem o ingresso para o show, e você pode reservar mesas para jantar enquanto assiste a performance. Se você entra no site deles, a impressão que dá é que as mesas estão de cara para o palco..., mas não e bem assim.... Nós, antes de irmos para Ubud, tínhamos reservado uma mesa de frente para o palco para jantar e assistir ao show, só que como fomos mais cedo no Water palace e vimos que as mesas não tinham nada a ver com o que eles falavam, e que o restaurante pelo cardápio não era lá aquelas coisas pelo valor mínimo que teríamos que pagar pela consumação da mesa, decidimos então por cancelar a reserva e comprar separado apenas o ingresso do show.

O show estava marcado para começar as 19:30, mas aconselho a chegar bem antes para conseguir um lugar legal, pois eles colocam cadeiras em frente ao palco para quem comprou somente o ingresso do show. Quando cheguei e vi isso, dei graças a Deus que tínhamos cancelado a reserva, pois com as cadeiras lá, seria impossível ver qualquer coisa da mesa.

As 19:30 pontualmente começa o show com duração de 1:30. Gente, perdão para quem já foi e gostou, mas tenho que ser sincera, para mim foi uma tortura!!!! Eu detestei!!!

O show está dividido em 7 apresentações de dança, e cada apresentação e acompanhada pela orquestra. Gente, a orquestra era péssima, eles não tinham sincronismo, ou então a música balinesa não tem sincronismo, enfim sabe quando você escuta aquele mesmo barulhinho, sem nenhum sincronismo e começa a ficar irritada? Pois bem, era assim que eu estava me sentindo, o meu ouvido no final só conseguia se concentrar no sininho que eles batiam, e isso foi me irritando profundamente, mas claro como eu não sou uma pessoa sem educação fui guerreira e fiquei até o final. Outro ponto dessa dança balinesa que é bizarra é que o pessoal dança mexendo apenas a cabeça e ficam com os olhos arregalados, gente que gastura!!!! Quando você junta isso tudo a dança e a orquestra nada sincronizada o resultado para mim foi de 1:30 de tortura. É claro que gosto é muito pessoal, e por isso estou sendo sincera aqui, eu detestei, e recomendo antes de comprar os ingressos, caso você tenha interesse de ir buscar vídeos no Youtube para ver o que acha, pois das pessoas que foram essa noite com a gente, todas saíram de lá reclamando, que não gostaram. Mas enfim volto a dizer, é uma questão de gosto.

 

 

Depois do show, fomos em restaurante mexicano super legal chamado Pacha Mama, que um casal que conhecemos na aula de culinária indicou (depois vou fazer um post sobre ele, vale super a pena a visita).

Bom, lembram que eu disse que essa viagem seria de novas experiencias certo? Pois então porque não subir em um vulcão para poder ver o nascer do sol? Claro!!! Como nunca tinha pensando nisso antes!!! Todos os créditos dessa nova experiencia vão para o meu marido!! Graças a ele, decidimos fazer um trecking que começava as 2 da manhã!

Foi assim, o meu marido gosta desse tipo de passeio, eu já não sou tão fá assim de natureza, ou melhor eu não sou fã de subir montanhas. No começo é fácil, é lindo, mas depois que passa da metade e está chegando no topo aí já viu ne?!

Eu li vários blogs antes de ir, e o pessoal sempre dizia que o nível era fácil/médio, gente mentira!!!! Se você não está acostumado a fazer esse tipo de coisa é difícil! Para vocês terem uma ideia não é mentira, o passeio começa sim as 2 da manhã. O guia passa para te pegar no seu hotel as 2:00 da manhã, ou seja, você não dorme da noite anterior... Depois de 2 horas de van chegamos na agencia, lá eles nos oferecem um café ou chá (gente lembrem-se, depois desse café ou chá, duas horas de subida e depois 2 horas de descida te esperam, ou seja, durante esse tempo nada de banheiro). Eles também dão uma garrafinha de agua por pessoa e uma lanterna!! Na hora que vi aquela lanterna, pensa em uma pessoa que queria desistir, sim EU!

Gente, odeio caminhada no meio do mato, no escuro ou melhor no breu então piorou! Mas enfim, vamos que vamos. Acha não esqueçam de levar uma blusa de frio, pois como esta de madrugada faz um friozinho...

Pontualmente as 4 da manhã começa a subida, rumo ao topo, e o guia logo no começo já avisa que temos que tentar fazer todo o percurso em no máximo 2 horas, ou então, vamos ter que assistir o nascer do sol no meio do caminho... O início e supertranquilo, pois o chão e bem regular e não tem muita subida, a única coisa ruim e a escuridão.... Agora gente, pelo amor de Deus, os últimos 30 minutos de subida, são os piores, eu juro que eu pensei umas duas vezes em desistir. Primeiro que você já está cansado, o caminho na metade começa a ficar com o piso irregular e quando você está prestes a chegar no topo começa a ter muitas pedras soltas, ou seja, você escorrega demais... Não é nada fácil o final, e para vocês terem ideia, no final o guia começou a me puxar e a uma menina, pois realmente não queríamos mais subir e estávamos escorregando demais... Ah, essa e uma dica de ouro para quem for fazer esse passeio, fique sempre atrás do guia, principalmente no final, pois ele vai ver que você está cansada e claro vai ter dar uma mãozinha, e essa mãozinha salva viu?! Vai por mim....

Depois de quase desistir umas mil vezes exatamente as 6:00 chegamos no topo! Enquanto esperamos o nascer do sol, eles servem um café da manhã, uma banana, dois ovos cozidos e um sanduiche. A bebida se quiser tem que comprar lá em cima, mas atenção viu?! Eles primeiro te falam um preço e quando você pode e eles vão te entregar eles cobram 10 vezes mais! Fiquem espertos com o preço, de preferência assim que pedirem e ele falar quanto custa já pague para evitar problemas.

E aí o show da natureza proporcionado por Deus começa! Gente, tenho que admitir, agradeci o meu marido por não ter deixado eu desistir, porque a vista lá de cima é maravilhosa, e o nascer do sol é  lindo, lindo, lindo!!! Foi uma das experiencias mais legais que tive nessa viagem!!

 

 

 

 

 

E assim vou me despedindo, mas hoje com uma frase que achei super legal apesar do autor ser desconhecido, mas que podemos aplicar em várias situações da nossa vida, inclusive no meu caso, nessa escalada ao vulcão: “Quando desistir for mais fácil, continue insistindo. O difícil costuma valer muito mais a pena!!”

 

 

 

 

Até a próxima aventura pessoal! 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now